quinta-feira, 23 de maio de 2013

Pedido de Socorro (Depressão Pós-parto)


Hoje vi um relato no Baby Center que de início me deixou chocada. Mas lendo com mais atenção e com um coração mais humano, ouvi dessa moça um grito de ajuda, por ela e pelo filho. E resolvi postar, pois sei que hoje é a realidade de algumas mulheres que podem até estarem sendo julgadas e descriminadas por isso. O fato é que depressão pós-parto não é frescura e sim um caso muito sério e pode levar a esquizofrenia se não tratada e acompanhada adequadamente. Esse assunto não pode ser banalizado e tem que ser tratado não julgado. Óbvio que há casos e casos. Entre eles psicopatias graves que afetam mulheres e homens. No entanto psicologicamente perturbadas ou não são mães, foram por algum motivo e felizmente não optaram por serem assassinas dessas crianças ainda no útero. Leia o relato e deixe sua opinião que sabe alguém mais pode ser ajudado por essas palavras ou pelas que você deixar aqui.
Lia Joca

O pedido de ajuda
Eize:
 Pelo amor de Deus eu não to dando conta mais....meu filho de 9 meses está extremamente pirracento... ele torce o corpo, se joga, grita (LITERALMENTE GRITA) e não cansa de gritar, eqnto eu deixar ele grita...ando me sentindo triste e nervosa. Já dei uns tapas neles, uns sanfuniões, sacudidas...vou acabar machucando ele...não to suportando ouvir ele fazer pirraça mais, eu não to dando conta..as vezes tenho vontade de sumir, mandar ele morar com minha mãe e ficar livre dele....eu sei que parece monstruoso o que to dizendo, mas preciso dizer..preciso desabafar.....eu o amo muito, mas não to sabendo lidar com as mudanças que ele trouxe na minha vida...nunca tive paciencia nenhuma agora to pior ainda!!! Pelo amor de Deus, orem por mim pq eu sei q to sendo igrata e injusta pq Deus me deu um presente lindo, que me ama..e eu sequer consigo ter paciencia com ele...o pior q depois me sinto culpada, na realida uma monstra e é o que estou sendo né...eu sei...



Minha resposta:
Procure ajuda médica e se possível afaste-se mesmo do bebê. Você pode estar passando tardiamente ou já havia dado sinais de depressão pós-parto. A fora o ato da agressão que nunca é aceitável e com certeza um crime, não só judicialmente falando, mas moralmente. Você relata claro estado dessa síndrome que afeta quase 60% das mulheres. Suas atividades normais nunca mais serão as mesmas, isto é um fato. Sua vida social muito menos, a não ser que conte com a ajuda de alguém, mas ainda sim a vinda do bebê acarreta muitas responsabilidades e renúncias. Caso esse que deveria ter sido pensado por você antes da gestação. Observe ao seu redor, pois a chegada do bebê por si só não acarreta esse mal e sim todas as mudanças psicológicas da gestação e até a falta de apoio familiar. A participação ou ausência do pai podem gerar na mulher muitos traumas e deixar você com a sensação de que o bebê lhe rouba alguma coisa. Essa disputa entre seu ego e o recém-nascido se dá á partir do momento que é gerado. Você pode não ter associado ou notado, mas algumas mulheres com relatos e sintomas como o seu tiveram uma gravidez atribulada e psicologicamente já davam sinais. Você provavelmente pensou por várias vezes na sua gestação que o bebê poderia ser um problema e até usurpar seu lugar nas relações familiares. Digo a você estas palavras porque é realmente preocupante o que escreveu aqui e a onde isso pode dar. Em um momento de euforia e raiva você pode até matar o seu bebê e nem se da conta da gravidade do fato. Isso acontece muito mais do que você imagina, e bem comumente o arrependimento vem depois sim. Mas não vai livra-la do remorso e o preço caro que terá de pagar por isso. Seja internamente, socialmente ou judicialmente. Por tanto querida. Chame á conversa o pai do bebê ou alguém que a possa ajudar e relate o que falou aqui. Diga que realmente esta doente e procure ajuda psicologicamente assim como quem poderia ficar com o bebê para você até você esteja curada desse mal. Isso é sério, eu não vou critica-la e nem julga-la como as outras pessoas aqui, pois apesar das fortes palavras. Posso imaginar a agonia que você e seu bebê estão passando. Só Deus para perdoar o que já foi feito, dito e pensado. Reze e peça força para passar por isso á ele e busque fundamentalmente não mais agredir seu bebê. Há marcas na vida humana que não desaparecem internamente. Mesmo que sejamos ainda muito pequenos somos capazes de guardar as impressões de amor e rejeição. Acredite no futuro, o seu filho a agradecerá por essa ausência momentânea, para que por força do seu descontrole não seja definitiva e muito dolorosa. Ofereço-lhe aqui meu apoio se precisar desabafar. Pode encontrar-me no Facebook  https://www.facebook.com/lia.joca?ref=tn_tnmn  , Espero sinceramente ter podido ajudar a intenção foi essa desde minhas primeiras palavras, além do que nada é por acaso e como não abro muito essas mensagens de postagem em meu email acredito que Deus queria que eu fizesse ou falasse algo á você. Tudo na vida da gente é providência quando acreditamos nele. Por sinal essa pequenina providência na sua vida recebida há nove meses em breve lhe fará muito feliz, basta que procure se ajudar, por você e por ele.

Deus os proteja, abraço.

Lia Joca Teixeira



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá,
Que bom que está aqui,
Vamos trocar idéias? Deixe aqui sua dica, dúvida, comentário ou quem sabe ajude-nos a escrever o próximo post nos dizendo sobre o que gostaria de ler.
Abraço,
Lia Joca